Notícias

17.10.2017

Brasil vence eleição e conquista vaga no Comitê Executivo da Interpol

Brasília, 29/9/17 – O Brasil venceu as eleições realizadas na China e agora passa a ocupar uma cadeira no Comitê Executivo da Interpol. O nome do diretor-executivo da Polícia Federal, Rogério Galloro, foi o mais votado entre os demais concorrentes do continente americano. A votação ocorreu nesta sexta-feira (29) durante o último dia da Assembleia Geral da Interpol. Ao todo, 190 países participaram.

O Comitê Executivo da Interpol possui 13 membros, dos quais três são países das Américas. Até ontem, as vagas eram ocupadas por representantes dos Estados Unidos, do Canadá e da Argentina. O Brasil preencherá a vaga da Argentina, que deixa o posto após o mandado eletivo de três anos.

Além de integrar um restrito grupo de países que ditam as regras mundiais em assuntos de polícia e segurança, um assento do Brasil no Comitê Executivo da Interpol vai garantir mais oportunidades de celebrar acordos de cooperação internacional.

Antes da eleição, representantes da Polícia Federal participaram de debates e reuniões bilaterais na capital chinesa. O objetivo dessas agendas foi mostrar resultados alcançados pela PF e reforçar a campanha brasileira para ocupar o cargo. Além disso, a Interpol Brasil e as embaixadas brasileiras divulgaram a candidatura de Galloro junto aos países que integram a instituição.

O nome de Galloro foi escolhido no final de 2016 para representar o Brasil na eleição deste ano. O diretor-executivo da Polícia Federal possui extensa experiência e atuação na área internacional. Ele ingressou na PF em agosto de 1995. Delegado de carreira, já ocupou postos estratégicos na instituição. Entre 2011 e 2013 foi adido em Washington (EUA).

Participaram da delegação brasileira, além do diretor-executivo, o delegado Luiz Dorea, o coordenador-geral de Cooperação Internacional, delegado Valdecy Urquiza, chefe da Interpol no Brasil, PCF Silvino Schlickmann, o oficial de Ligação do Brasil na Interpol, o EPF José Monteiro, APF Flávia Bastos, PPF Carlos Eduardo Campos, o conselheiro Gabriel Boff, o chefe da Divisão de Combate a Ilícitos Transnacionais do MRE e Flávio Pazeto, 1º secretário junto a Embaixada do Brasil em Beijing